26 de Abril – Dia Nacional da Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial

Dia Nacional da Prevenção e Combate a Hipertensão
Dia Nacional da Prevenção e Combate a Hipertensão

Aos 26 de Abril de cada ano, comemora-se o Dia Nacional da Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, a fim de ressaltar as causas e tratamentos para o controle da doença.

Popularmente conhecida como “Pressão Alta”, a hipertensão arterial é identificada a partir do resultado sistemático igual ou maior que 14 por 9 após aferimento da pressão. Seu aumento se dá por diversos motivos, sendo o principal deles a contração dos vasos nos quais o sangue circula.

Considerada uma doença crônica, a Hipertensão Arterial pode atingir qualquer pessoa sem nenhuma restrição e pode trazer como consequência um ataque aos vasos, coração, rins ou cérebro. Sendo que nos vasos pode ocasionar o endurecimento e estreitamentos destes e, por consequência, seu entupimento ou rompimento com o passar dos anos.

Quando o entupimento acontece no coração, pode ocasionar um infarto. Quando ocorre no cérebro, leva-se ao derrame cerebral ou AVC. Enquanto nos rins, podem ocorrer alterações no processo de filtração, causando a paralisação dos órgãos.

Todas as consequências possibilitadas pela Hipertensão Arterial são graves, mas podem ser evitadas desde que o hipertenso faça o tratamento adequado e com acompanhamento médico.

Para pacientes com pressão arterial entre 14 por 9 e 18 por 11, costuma-se recomendar um tratamento não medicamentoso, por meio de reeducação ou modificações de estilo de vida. Buscar uma alimentação saudável, praticar atividade física regularmente, gerenciar a manutenção de peso adequado, não fumar e diminuir o consumo de bebidas alcoólicas são algumas das medidas exigidas para a redução da pressão arterial e seu controle.

Estima-se que uma em cada quatro pessoas adultas tenham Hipertensão Arterial, atingindo pelo menos 25% da população brasileira, passando de 50% após os sessenta anos e presente em 5% das crianças e adolescentes do Brasil.

A hipertensão é responsável por 40% dos infartos, 80% dos derrames e 25% dos casos de insuficiência renal terminal.

Por isso, é essencial evitar o surgimento da doença, buscando cada vez mais qualidade de vida e, em caso de surgimento, é de grande importância que o paciente faça a medição da pressão e acompanhamento médico de forma regular e sem interromper o tratamento, seja por reeducação ou medicamentos.

Deixe uma resposta